Diálogos entre educação e a saúde. Práticas educacionais com tecnologias móveis em apoio ao tratamento oncológico

Palabras clave: educação, tratamento oncológico, aprendizagem com mobilidade, bem-estar

Resumen

Tecnologias podem auxiliar na qualidade de vida e educação de jovens em tratamento oncológico, por meio da aprendizagem e ludicidade associados ao uso. Logo, o objetivo deste trabalho é demonstrar como as práticas com dispositivos móveis tablets no contexto do projeto “Oficina de aprendizagem com mobilidade” atuaram na aprendizagem e melhoria do bem-estar de crianças e adolescentes em tratamento oncológico. A metodologia utilizada foi pesquisa-ação com análise de dados qualitativa, considerando dados de 5 pacientes que participaram do projeto entre 2015 e 2019.Os resultados demonstram uma influência positiva das práticas com tecnologias no contexto de cada paciente analisado, tanto na questão da aprendizagem como na sensação de bem estar dos pacientes durante as oficinas.

Citas

Barbosa, D. N. F.; Bassani, P. B. S.; Mossmann, J. B.; Schneider, G. T.; Reategui, E.; Branco, M. A. A.; Meyrer, L. S.; Nunes, M. (2014) Mobile Learning and Games: experiences with mobile games development for children and teenagers undergoing oncological treatment; Lecture Notes in Computer Science, 8495,153-164.

Barbosa, D. N. F.; BARBOSA, J. L. V. (2019) Aprendizagem com Mobilidade e Aprendizagem Ubíqua. In: PIMENTEL, Mariano; SAMPAIO, Fábio F.; SANTOS, Edméa O.

(Org.). Informática na Educação: técnicas e tecnologias computacionais. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação.Recuperado de: https://ieducacao.ceie-br.org///aprendizagemmobilidadeubiqua

Branco, M. A. et al. (2013) Dimensões dos jogos de ensino. ICECE 2013 - Congresso Internacional em Educação em Engenharia e Computação 2013. Anais, v. 8, p. 277-281. Recuperado de: http://copec.eu/congresses/icece2013/proc/works/62.pdf .

Brandao, I. A. et al. (2019) Jogos eletrônicos na atenção à saúde de crianças e adolescentes: revisão integrativa. Acta paul. enferm. [online]. vol.32, n.4, pp.464-469. Available from: < https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-21002019000400464&script=sci_arttext>

Cleophas, M.; Cavalcanti, E.; Souza, F. D.; Leão, M. (2015) M-learning e suas Múltiplas Facetas no contexto educacional: Uma Revisão da Literatura. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia. - 8. 10.3895/rbect.v8n4.2752.

Cunha, C. E. et al. (2019) Viability of mobile applications for remote support of radiotherapy patients. Rev. Assoc. Med. Bras. [online], vol.65, n.10. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42302019001001321&script=sci_arttext

Feitosa, J.C.; Braga, J. R. F. (2018) Kimo: Um Jogo Sério Para Crianças e Adolescentes Com Câncer. Anais do XVII SBGames, Foz do Iguaçu – PR, Brasil.

Fermo, V.C.; Lourencatto, G.N.; Medeiros, T.D.S.; Anders, J. C.; Souza A. A. I. J. (2014) Early diagnosis of child cancer: the journey taken by families. Escola Anna Nery [online] Revista Enfermagem. Vol. 18(1):54-9

Godoy, A. S. (1995) Introdução à pesquisa qualitativa. IN: Revista de administração de empresas, São Paulo, v.35, n.2, p.57-63.

Heidrich, R. O.; Branco, M. A.; Mossmann, J. B.; Schuh, A. R.; Jensen, E. (2016) Jogos digitais para interação com brain computer interface para auxiliar no processo de inclusão escolar de pessoas com paralisia cerebral”, p. 3397-3407 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Paulo: Blucher

Kersh, D. F.; Coscarelli, C. V.; Cani, J. B. (Orgs.) (2016) Multiletramentos e Multimodalidade: ações pedagógicas aplicadas à linguagem. Campinas: Editora Pontes.

Leandro, T. A., Silva, V. M.; Lopes, M. V. O., Guedes, N. G, Nunes, M. M. , Sousa T. M. (2018) Impaired comfort in children and adolescents with cancer. Rev Bras Enfermagem. V.71(3):934-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0050

Matos, J. D. V.; Silva, J. R. C.; Ribeiro, A. F. S.; Gomes, R. M. M., Ferreira, J. C.; Matos, F. B. (2019) Aprendizagem Significativa por meio do Uso de TICs: Levantamento das Produções da Área de Ensino de 2016 a 2018. Revista Renote. v. 17, n. 1.

Nogueira, V.M.R. (2002) Bem-estar, bem-estar social ou qualidade de vida: a reconstrução de um conceito. Ciências Humanas e Sociais, v. 23. p. 107-122

Oliveira, C. L. (2008) Um apanhado teóricoconceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Revista Travessias, Cascavel, v. 2, n. 3, p. 12-13.

Pacheco, F. P., & Garcez, E. M. S. (2012) O jogo e o brincar: Uma ação estratégica na promoção da saúde mental. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina, 5(1), 87-142.

Prensky, M. (2012) Aprendizagem baseada em jogos digitais. Editora Senac São Paulo, São Paulo.

Renner, S.J.; Taschetto, R. V. D. ; Batista, L. G.; Bosso, R. C. (2014) Qualidade de Vida e Satisfação no Trabalho: A percepção dos técnicos de enfermagem que atuam em ambiente hospitalar. Rev Min Enferm: 440-6.

Rolim, C. L. A.; Góes, M. C. R. (2009) Crianças com câncer e o atendimento educacional nos ambientes hospitalar e escolar. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.35, n.3, p.509-523

Santos, J; Santos, A., Gomes, A. (2016). Brincando e aprendendo: uma proposta lúdica de inclusão social e digital para pacientes de serviços de Oncologia Pediátrica. Recuperado de: 914. 10.5753/cbie.wie.2016.914.

Schneider, G.; Barbosa, D. N. F.; Santos, P. R.; Barbosa, J. (2019). Evaluation of Usability and Gameplay of Games on Mobile Platforms for Young People on Oncological Treatment. RENOTE – Revista Novas Tecnologias na Educação.

Thiollent, M. (2003) Metodologia da pesquisaação. 12.ed. São Paulo: Cortez.

Vieiro et al. (2014) Enfrentamentos da criança com câncer frente ao afastamento escolar devido internação hospitalar. In: Revista de Enfermagem da UFSM. Santa Maria, v.4, n. 2, p. 368-377, abr./jun. Recuperado de: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/10956

Publicado
2020-08-14
Sección
Artículos de Investigación